Skip to content Skip to navigation

 

 

5 pontos fundamentais para melhorar o provisionamento de seus processos

5 pontos fundamentais para melhorar o provisionamento de seus processos

Um dos grandes riscos para o caixa das empresas é o valor contigenciados para os processos judiciais. O valor relativo ao contigenciamento deve ficar reservado ao invés de ser reinvestido em busca de melhorias que aumentem a eficiência e o crescimento dos negócios. Mas como reduzir o contigenciamento enquanto se espera pelos resultados das ações? Basta prestar mais atenção para os pontos abaixo:

 

Consolidar a carteira de processos

O primeiro passo é saber exatamente quantos processos há na carteira, atualizá-los, e assim garantir que as informações estejam completas, corretas e atualizadas. Além disto é necessario de manter todos os processos em um único lugar para facilitar sua gestão, preferencialmente de forma informatizada, que permite o rápido acesso à informações e consolidação de relatórios gerenciais. Para ter a possibilidade de automatizar seu acompanhamento, é necessários ter o números únicos dentro do padrão CNJ. 

 

Identificar as fases de cada processo

Depois de levantar todos os processos, é hora de identificar quais são as fases em que eles se encontram, pois é necessário saber quais processos precisam ter seu contigenciamento revisto em função do seu andamento. Também é necessário identificar processos com depósitos judiciais para verificar quais são os processos que já podem ter seu depósitos recuperados. Processo encerrados, devem ser devidamente identificados e retirados do contingenciamento o mais rápido possível.

 

Fazer estimativas mais assertivas

É fundamental estabelecer procedimentos para uniformizar as avaliações de risco de toda a carteira de processos e seguir os padrões contábeis estabelecidos em normas. A partir da identificação das fases, é possível ter uma visão mais clara de quais processos apresentam maior risco jurídico. Para esses, o provisionamento será feito com maior detalhamento. Para os processos de menor risco, é possível fazer um provisionamento mais conservador apenas para cumprimentos de exigências contábeis e gerenciais. 

 

Gerenciar prazos dos processos

Realizando todos os pontos anteriores corretamente, é mais fácil organizar a equipe para que ela foque nos processos prioritários, prepare melhor a defesa e não perca prazos, evitando, assim, revelias e outros potenciais prejuizos causados por falhas operacionais. Automatizar o acompanhamento dos processos é uma medida que permite que a equipe jurídica se foque no conteúdo jurídico dos processos ao invés de perder tempo com rotinas administrativas. 

 

Evitar litígios

E o último passo é optar por mediações e conciliação para os processos de menor risco jurídico, evitando, dessa forma, longos desdobramentos jurídicos que encarecem os processos por conta dos honorários advocatícios, despesas processuais, depósitos, etc. O Novo Código de Processos Civil tenta facilitar o acesso a essas duas modalidades, para desafogar o judiciário. É interessante optar por essas vias de resolução de conflitos pensando em uma redução drásticas de despesas financeiras e redução do ciclo de vida dos processos. 

Blog

18/09/2017
Encerrar os processos é parte essencial da gestão jurídica de departamentos jurídicos, pois reduz o estoque de processos gerencia...
01/08/2017
Quando o número de clientes de um escritório de advocacia cresce, pode se tornar mais complicado dar conta de todos os contatos gerados por ele...

Newsletter



 

e-Xyon Tecnologia para Gestão © 2016 - Todos os direitos reservados   |  Política de Privacidade  |  Feedback